Jonah Lehrer
DR

Citações falsas de Bob Dylan levam à demissão de Jonah Lehrer da revista “The New Yorker”

01.08.2012 - Isabel Coutinho
diminuiraumentar


Jonah Lehrer admitiu ter inventado declarações de Bob Dylan no seu último livro “Imagine - De onde vem a criatividade” e ter mentido para se livrar das acusações. Demitiu-se da revista “The New Yorker” que o contratara em Junho e pediu desculpas públicas aos seus leitores.

O norte-americano Jonah Lehrer, aos 31 anos, parecia ter uma carreira de sonho. Um jovem com um percurso académico invejável que se transforma num escritor mundial de sucesso, a fazer a ciência parecer fácil, com uma forte presença nos media norte-americanos. 

Mas há um mês alguém notou que estava a “reciclar” no blogue Frontal Córtex, da revista “The New Yorker”, material que tinha escrito para outros jornais e nos seus livros. A polémica parecia ter acalmado até esta segunda-feira quando a revista “Tablet” (www.tabletmag.com) publicou o artigo “ Jonah Lehrer’s Deceptions ”, do jornalista Michael Moynihan que ao ler o seu último livro “Imagine - De onde vem a criatividade” notou erros nas declarações atribuídas ao músico Bob Dylan e o interrogou sobre isso. Este especialista em Dylan conta que ao aperceber-se de que havia algo de errado nas citações utilizadas pelo escritor, o confrontou para escrever o artigo e este o tentou enganar mentindo quanto às suas fontes.
 
Terá sido um “momento de pânico” o que levou o escritor a tentar enganar o jornalista. Pelo menos é esta a explicação que Jonah Lehrer dá na declaração que o grupo editorial Houghton Mifflin Harcourt está a divulgar. Aí conta que há três semanas recebeu um email do jornalista Michael Moynihan que lhe fazia perguntas sobre as frases de Bob Dylan que ele cita no livro que também está publicado em Portugal. “As citações em causa ou nunca existiram, ou foram citadas incorrectamente sem intenção ou representaram combinações impróprias de declarações prévias” do cantor, afirma. “No entanto eu disse ao senhor Moynihan que elas eram retiradas de uma entrevista que me tinha sido dada pelos representantes de Dylan. Esta foi uma mentira dita num momento de pânico. Quando o senhor Moynihan continuou a fazer perguntas, eu continuei a mentir, e a dizer coisas que não devia ter dito”.  
 
O PÚBLICO tentou contactar Jonah Lehrer, que já foi considerado “o menino-prodígio da divulgação científica” pelo “The New York Times”, através da sua conta de Twitter e através da sua agente e da editora que nos enviou a declaração pública de desculpas que o escritor fez. Na sequência deste caso, Jonah Lehrer demitiu-se da revista “The New Yorker” que o tinha contratado como jornalista do quadro em Junho. A editora norte-americana está a retirar o ebook do mercado e o editor português José Prata, da Lua de Papel que publicou toda a sua obra está a ponderar o que fazer.
 
Nos EUA, há uns anos, houve uma polémica parecida com James Frey que acabou por confessar que no seu livro de memórias “Uma Vida em Mil Pedaços” tinha inventado situações. Pediu desculpas no programa da Oprah que o tinha lançado e continuou a publicar livros. Hoje, o ex-jornalista do “New York Times” Jayson Blair, que há nove anos inventou entrevistas que nunca fez comentou e foi obrigado a demitir-se comentou o caso de Lehrer no “The Daily Beast”. Para ele, Jonah Lehrer, aos 31 anos, autor de três best-sellers foi vítima do seu próprio sucesso. “Mas o sucesso traz consigo a pressão de se fazer cada nova publicação melhor do que a anterior”, lembra Blair em função da sua própria experiência.