Leia também
Guimarães Capital Europeia da Cultura será um dos grandes acontecimentos culturais de 2012
Nelson Garrido
Agenda cultural

O que podemos esperar na agenda cultural de 2012?

01.01.2012 - PÚBLICO
diminuiraumentar


Falar de cultura em 2012, é falar de Guimarães, a Capital Europeia da Cultura. A cidade minhota, conhecida como o "Berço de Portugal", vai receber cerca de 600 espectáculos ao longo de todo ano, na mesma altura em que a vizinha Braga, Capital Europeia da Juventude em 2012, apresenta uma série de iniciativas culturais. Cinema, música, teatro, arte e literatura, o PÚBLICO percorre os próximos meses e apresenta um guia daquilo que vamos querer ver, ouvir e ler durante este ano.

JANEIRO

Como funcionará a amarga doçura de Michelle Williams a interpretar Marilyn ("A Minha Semana com Marilyn")? O primeiro grande filme do ano poderá ser "Martha Marcy May Marlene" de Sean Durkin, um edifício do medo que nos chega do novo cinema nova-iorquino.



Já "L"Apollonide", de Bertrand Bonello, é um "tour de force" decadentista por um bordel. A primeira estreia portuguesa do ano está reservada a Margarida Gil com "Paixão".
A cantora americana Lana Del Rey foi um dos nomes mas badalados da segunda metade de 2011, por causa de canções, vídeos e imagens voluptuosamente pop. O seu álbum de estreia tem tudo para gerar amores e ódios desmedidos.



Os Animal Collective começam em Janeiro a gravação do sucessor de "Merriweather Post Pavillion". No dia 31, o álbum "mais abertamente espiritual" de Leonard Cohen, "Old Ideas", será editado.
Acontecimento ou choque, "Bacantes", de Eurípides, pelo Teatro Oficina de José Celso (Lisboa, São Luiz, 20 a 22) será um dos momentos do ano. Regresso a Portugal, 37 anos depois, da companhia brasileira em que a antropofagia encontra o teatro e a orgia.
Marc Copland e John Abercrombie, nomes maiores do jazz contemporâneo, encontram-se no CCB, a 25, para um duo de piano e guitarra.
Entre 16 e 28, a Gulbenkian recebe o compositor, pianista e maestro britânico Thomas Adès durante uma residência de duas semanas. Oportunidade para conhecer uma personalidade em afirmação na música contemporânea.
"Atol" chega à Zé dos Bois a tempo de revelar o desconcertante universo pictórico de Gonçalo Pena. Uma das mais singulares individuais de 2012, inclui, para além de pintura, artefactos de colecções públicas e privadas.
"Oito Noites Brancas", de André Aciman, inicia a colecção de ficção da Matéria-Prima. O "best-seller" sobre a crise, "A Queda de Wall Street", de Michael Lewis sairá na Lua de Papel. Nuno Costa Santos escreveu a biografia "Trabalhos e Paixões de Fernando Assis Pacheco" (Tinta-da-China). No primeiro semestre é lançado, na Teodolito, "Aire de Dylan", de Enrique Vila-Matas. Também sem data, "O que eu sei dos homenzinhos", de Juan José Millás e, de Carlos Ruiz Zafón, "El prisionero del cielo". Todos na Planeta.

FEVEREIRO
Inicialmente pensada como banda sonora para "Le Voyage Dans La Lune" de Méliès, a música que os Air gravaram deu origem a um álbum do qual já se conhece um tema, "Seven stars", com voz de Victoria Legrand dos Beach House. O segundo álbum dos Sleigh Bells, "Reign Of Terror", chega às lojas a 14. "Emocionalmente, é um disco muito pesado", diz o vocalista Derek E. Miller. "Toneladas de volume", acrescenta a vocalista Alexis Krauss.
Um filme mudo, passado no meio do cinema (alguém se lembra de "Silent Movie", de Mel Brooks?), é o novo "chochou" do cinema europeu. Chama-se "The Artist".



E depois de Marilyn por Michelle Williams, o mais ansiado "lookalike" do ano é o de Meryl Streep como Margareth Thatcher ("The Iron Lady").



A 3D de "A Invenção de Hugo" ficará bem a Scorsese? Destaque para o esforço colectivo "O Que Há De Novo No Amor?" de seis novos realizadores portugueses (um dos quais, Hugo Martins, irá estrear "A Vida do Avesso"). E haverá "Le Havre", de Aki Kaurismäki. E, "pièce de resistance", o mal comportado "Killer Joe", de William Friedkin.
Cinco bailarinos "fortysomething" exploram as promessas de uma vida para al? ?m da morte: é a nova peça dos Ballets C de la B, "Au-Delà", que abre, a 1, a segunda edição do GuiDance, o festival de dança contemporânea de Guimarães. 2012 é ano de Anne Teresa de Keersmaeker em Lisboa. Um ciclo de 13 peças, espalhadas por três períodos e cinco palcos, abre dia 3 no CCB, que mostra as primeiras quatro obras da belga. Depois, em Junho, o Alkantara acolhe "En Attendant" e "Cesena" e as Festas de Lisboa levam "Bal Moderne" às ruas. Em Outubro, Keersmaeker entra no reportório da CNB e em Novembro mostra "Drumming", "The Song" e "3Abschied", com Jérôme Bel. Mas o momento mais extraordinário será a 16, em Guimarães: "Cesena" ao ar livre e de madrugada, nos claustros do Convento das Domínicas.
A 16, o CAM da Gulbenkian vai ser brasileiro. A arte musical e lúdica de Beatriz Milhazes apresentar-se-á com pinturas, colagens e um "mobile" em "Quatro Estações". De Rosangela Rennó vamos ter uma antológica, "Frutos Estranhos", que incide sobre uma das questões mais prementes na sua obra: o uso da imagem fotográfica.
A estreia moderna em edição crítica da oratória "A Morte de Abel", de Pedro António Avondano (1714-1782), pelo Divino Sospiro, promete revelar uma obra notável do património português (CCB, dias 17 e 18). O pianista Alfred Brendel regressa à Gulbenkian a 18 e 19 com a conferência "Terá a música pura um humor próprio?" e uma masterclass com o Quarteto Casals, que interpretará em recital o quarteto "A Morte e a Donzela", de Schubert.
Início da publicação das obras de Jorge Luis Borges ("Livro de Areia" e "História da Eternidade") na Quetzal que editará "Humilhação e Glória" de Helena Vasconcelos. "Glória", de Nabokov sairá na Teorema. "O Teste do Psicopata" de Jon Ronson, investigação sobre psicopatas e a indústria da loucura, na Lua de Papel. O escritor Luis Sepúlveda e o fotógrafo Daniel Mordzinski fazem o relato de uma viagem pela Patagónia em "Últimas Notícias do Sul" que será editado pela Porto Editora. Na colecção de viagens da Tinta-da-China o regresso de Almeida Faria com "Diário de viagem à Índia", com ilustrações de Bárbara Assis Pacheco.

MARÇO
Ainda não existe título, mas Madonna, 53 anos, vai regressar com novo álbum.
"Florbela", entre o biopic e a recriação do mundo poético de Florbela Espanca, tem Dalila Carmo no papel principal e realização de Vicente Alves do Ó. Um dos acontecimentos do ano será "É na terra, não é na lua", de Gonçalo Tocha, aventura pela Ilha do Corvo, no mês que vê chegar a segunda longa de Hugo Vieira da Silva. Mês, ainda, de "O Cavalo de Turim" dw Béla Tarr, e do Leão de Ouro de Veneza, "Faust", de Alexandr Sokurov.



Os belgas Jos de Gruyter e Harald Thys vão expor, a partir de 3, na Culturgest do Porto, 176 fotografias que exploram a natureza-morta. "Objectos como Amigos" será ocasião para um reencontro com um retrato impiedoso da condição humana.
Wim Vandekeybus em digressão: de 17 a 24, "Radical Wrong" passará por Aveiro, Coimbra, Leiria e Torres Vedras. Lia Rodrigues decompõe uma canção de Jobim - a brasileira inventaria novos códigos para a relação do Brasil com a sua história neste "Piracema", que estará na Culturgest a 21 e 22.
Pierre Boulez, Artista em Associação da Casa da Música ao longo de 2012, apresenta-se com o seu Ensemble Intercontemporain no dia 24, dirigindo uma das obras fundamentais da sua produção, "Eclat Multiples" (1965) e peças de outros compositores que o celebrizaram.
"E a noite roda", o primeiro romance da jornalista Alexandra Lucas Coelho, sai na Tinta-da-China: a história de uma catalã e um belga que se conhecem em Jerusalém e vivem paixão intermitente, do Médio Oriente à América. "Ribamar", do brasileiro José Castello, sairá na Dom Quixote. Bill Clinton considerou-o o livro de 2011: "Jerusalém - A Biografia", de Simon Sebag Montefiore (Alêtheia).E o conjunto das palestras que Orhan Pamuk deu em Harvard, as Norton Lectures, deram origem a "The naive and the sentimental Novelist" (Presença). O segundo volume de "1Q84", de Haruki Murakami, na Casa das Letras.
Cruzamento do texto amargo de Cassavetes com o olhar lúcido do encenador holandês Ivo van Hove, "Husbands" é a próxima paragem do Projecto Próspero no CCB, dias 16 e 17. 


ABRIL
Em "Outrage" vislumbram-se fulgores de outrora de Takeshi Kitano, cineasta que já morreu várias vezes.



Mas Joaquim Sapinho, e "Deste Lado da Ressurreição", merece destaque: Deus e surf.
Iréne Theorin, soprano wagneriana, apresenta-se na Gulbekian a 15 e 16 com a Orquestra Juvenil Gustav Mahler, num programa que inclui excertos de "Tristão e Isolda" e "O Crepúsculo dos Deuses".
A obra vencedora do Prémio Saramago 2011, "Os Malaquias", da brasileira Andrea del Fuego, é publicada pela Porto Editora. E o novo romance de José Eduardo Agualusa, "Teoria Geral do Esquecimento", sai na Dom Quixote, onde se publicam "Até ao Fim da Terra", de David Grossman, "O Tempo Envelhece Depressa", de Antonio Tabucchi.

MAIO
Mais um português, "Operação Outono", Bruno de Almeida, thriller sobre o assassinato de Humberto Delgado. E um dos filmes mais inquietantes do ano, "Michael", do austríaco Markus Schleinzer, na proximidade de um pedófilo.



Deverá sair antes do Verão: os ingleses The xx até já revelaram uma "demo" de um tema novo, "Open eyes", e existe um blogue criado pelo trio onde se pode seguir o processo de feitura do disco.



A partir de dia 3, Mónica Calle retoma Rimbaud para um solo em contínuo, pela noite dentro, na Casa Conveniente. De porta aberta, revela-nos, em "A Virgem Doida", o corpo, o verbo e o sexo, num Cais do Sodré agora menos decadente do que há 20 anos.
A 16 e 17, no Centro Cultural Vila Flor, a coreógrafa Mathilde Monnier faz, em "City Maquette", a sua leitura de Guimarães, num espectáculo com a participação dos habitantes da Capital Europeia da Cultura. Dois dias depois, a 19, o Teatro Meridional chega ao CCB para celebrar 20 anos de um percurso caracterizado por atenção ao poder da palavra. Depois, a companhia segue para Guimarães, onde da escuta da cidade resultará um dos espectáculos emblemáticos da Capital Europeia da Cultura, "Guimarães Cidade" (7 de Dezembro, Centro Cultural Vila Flor).
Maria João e Mário Laginha regressam aos palcos com um quinteto - dia 21, Gulbenkian.
O encenador Philip Quesne chega ao Alkantara (25 e 26, Culturgest) com um monumento teatral: misto de ficção científica com parábola de contornos religiosos, "Big Bang" vai ser um dos momentos de 2012.
Depois de "Para onde vai a luz quando se apaga" (2007), João Fiadeiro regressa à Culturgest, dia 31, para apresentar a sua nova criação no Alkantara.
O primeiro livro de Philip Roth, "Goodbye Columbus", sairá na Dom Quixote. A Quetzal prepara tradução de "Três Tristes Tigres" de Guillermo Cabrera Infante e edita "Somos Todos um Bocado Ciganos", de Manuel Jorge Marmelo. "Os Cães de Tessalónica" de Kjell Askildsen é editado na Ahab. "Religião para ateus", de Alain de Botton, na Dom Quixote.

JUNHO
Há anos que António Fonseca anda a decorar "Os Lusíadas": no dia 10, em Guimarães, o actor estará pronto para o dizer, do primeiro ao último canto, numa maratona da ordem da proeza.
Representante francês na última Bienal de Veneza, Christian Boltanski leva à Fábrica ASA, Guimarães, a partir de 16, um trabalho criado para a Capital Europeia da Cultura.
A Quetzal começa a editar as obras de W. G. Sebald com o inédito: "Da Natureza". O vencedor do Femina na categoria de livro estrangeiro, "Say Her Name", de Francisco Goldman, é editado pela Matéria Prima. "O Julgamento do Morto", de Pedro Rosa Mendes, sairá na Dom Quixote. "Cat"s Cradle" de Kurt Vonnegut na Bertrand.
No Rock In Rio de 2012, a 25 e 26 de Maio, e 1, 2 e 3 de Junho, o que interessa chega no fim: Bruce Springsteen.



A novidade no panorama de festivais é o Primavera Sound, decorre no Parque da Cidade, no Porto, entre 7 e 10. Traz Björk, Spiritualized, Beach House ou Olivia Tremor Control.



JULHO
No último dia do Optimus Alive, a 15 de Julho, os Radiohead apresentarão "King of Limbs".



O búlgaro Nedko Solakov vai estar em destaque em Serralves com obras realizadas entre 1980 e 2003. Desenhos e palavras sobre as paredes, humor, poesia e objectos.
Fica completo "1Q84" de Haruki Murakami com a saída do terceiro volume na Casa das Letras.

AGOSTO
Nos 130 anos do nascimento de James Joyce a Relógio d"Água publica "Música de Câmara", "O Retrato do Artista Quando Jovem", "Gentes de Dublin" e "Ulisses". De Clarice Lispector publica "O Lustre", "Água Viva" e "Um Sopro de Vida".

SETEMBRO
O que fizeram juntos Brillante Mendoza e Isabelle Huppert em "Captured" é o que vamos ver. "Tabu" de Miguel Gomes, estreia perto do Verão, é a terceira longa do português, rodada em África, em película e a preto-e-branco. A produtora O Som e a Fúria irá também estrear, de Manoel Oliveira, "O Gebo e a Sombra". Setembro é o mês do Festival de Veneza, onde, o ano passado, se estreou "Shame", de Steve McQueen, que continua sem data de exibição.



Mas o regresso do segundo semestre de 2012 é o de Vítor Gonçalves, 25 anos depois do luminoso "Uma Rapariga no Verão", com "O Rosto".
Actriz e encenadora, Sanja Mitrovic emigrou da Sérvia para a Holanda e é com tudo isso às costas que chega a Guimarães para trabalhar a partir das memórias da indústria têxtil que caracterizam o imaginário colectivo do Vale do Ave. "Where have we been and what did we do there?" estreia-se a 7.

OUTUBRO
O mês de "Cosmopolis", de Cronenberg/DeLillo.
A colectiva "Immutable Mobiles" questiona a estandardização, a produção de imagens e o espaço público, com base nas reflexões do sociólogo Bruno Latour. O elenco de artistas da exposição, que o Museu Berardo inaugura a 3, impressiona: Harun Farocki, Armin Linke, Hito Steyerl, Maria Thereza Alves, Angela Melitopoulos, Pedro Costa, John Akomfrah. Também em Outubro, no Berardo, "O museu é o mundo", retrospectiva dedicada ao maior artista brasileiro do século XX: Hélio Oiticica.
Um novo romance de António Lobo Antunes sairá na Dom Quixote.

NOVEMBRO
No ano em que a França é o país-tema da Casa da Música, Christophe Rousset domina o Festival À Volta do Barroco com um recital para cravo solo, a direcção do seu famoso ensemble Les Talents Lyriques em obras de Rameau e François Couperin, e um programa em conjunto com a Orquestra Barroca Casa da Música. Pierre Boulez dirige o Remix Ensemble, dia 4, numa obra lapidar do século XX da sua autoria: "Répons".
A antológica de Julião Sarmento em Serralves será a mais importante mostra da sua produção num museu nacional.

DEZEMBRO
Quentin Tarantino pegou no "Django" de Sergio Corbucci (1966). Regresso de Christoph Waltz e Samuel Jackson, e primeira colaboração com Jamie Foxx e DiCaprio.
A 14, Victor Hugo Pontes junta na Fábrica ASA, em Guimarães, bailarinos de várias nacionalidades, desafiados em residência de criação a questionarem o problema de estar longe de casa. "Far Away From Home" conclui um trabalho iniciado com a visita do coreógrafo a Moscovo, e fecha o ambicioso programa de dança contemporânea da Capital Europeia da Cultura.


Comentários
comentario 1 a 1 de um total de 1
diminuiraumentar
comentario04.03.2013 - 16:07 - joao, Lisboa
Isto parece aqueles iogurtes que estão 5 meses fora do prazo na secção dos lacticínios. Dá mesmo muito mau aspecto ao supermercado, este artigo sobre o que podemos esperar de 2012.
Páginas:
1