Leia também
Balanço

Os melhores filmes de 2011

15.12.2011
diminuiraumentar


De "Sangue do meu Sangue" a "Essential Killing", escolhas de Jorge Mourinha, Luís Miguel Oliveira e Vasco Câmara

1. Sangue do Meu Sangue

de João Canijo

É disto que os "filmes do ano" são feitos: uma capacidade para se deixarem admirar e, simultaneamente, intimidarem. A versão longa de "Sangue do Meu Sangue", aquela que é mais justa para os membros desta família do bairro Padre Cruz em Lisboa já que cumpre uma utopia transversal, foi o "monumento" de 2011. Queremos ficar com estas pessoas para sempre... V.C.



2. O Tio Boonmee que se Lembra das Suas Vidas Anteriores

de Apichatpong Weerasethakul

Uma reinvenção do "maravilhoso", a ligar o particular (a história e o folclore da Tailândia) ao universal. Ponto de chegada, visto que também é uma súmula de toda a obra de Apichatpong, e ponto de partida, porque é um filme que tem tudo para abrir caminho para outros filmes. Não esqueceremos o Tio Boonmee. L.M.O.



3. Autobiografia de Nicolae Ceausescu

de Andrei Ujica

Magistral trabalho de precisão sobre a imagem e os seus significados, o documentário de Andrei Ujica utiliza imagens de arquivo oficiais pré-existentes para traçar uma biografia política do líder romeno e, por extensão, de um regime e de um sistema que se transforma também numa extraordinária meditação sobre o poder dos media. J.M.



4. Aurora

de Cristi Puiu

Se alguém acha que ocinema romeno é uma moda e só uma moda, veja "Aurora". Cristi Puiu confirma-se como o mais profundo e abrangente dos cineastas romenos nesta obra onde a neurose pessoal casa com o mal estar colectivo, numa Roménia de contrastes, para tornar o confronto entre atavismos e "modernidades"numa experiência de insondável transcendência. Duro como um bloco de pedra, fabuloso. L.M.O.



5. 48

de Susana de Sousa Dias

Uma das mais extraordinárias obras jamais feitas sobre a história recente de Portugal, utiliza um dispositivo formal rigoroso, despojado, quase experimental para nos fazer sentir o que era viver no medo durante os 48 anos do regime de Salazar. Uma lição de como fazer muito com pouco, um filme tão importante enquanto arte como enquanto memória. J.M.



6. Filme Socialismo

de Jean-Luc Godard

Tem a força monumental das coisas que, de tão antigas, parecem estar na posse de um segredo qualquer. E tem o carácter intrigante das coisas que parecem muito novas, ainda por identificar. Um filme de "aqui e agora", e ao mesmo tempo uma imaginação de algo que o cinema nunca foi - portanto, para todas as épocas e lugares. Magnífico. L.M.O.



7. As Quatro Voltas

de Michelangelo Frammartino

Depois de anos de convívio com os pastores e cabras de uma aldeia na Calábria, Frammartino repôs essa viagem sensorial. Do homem à cabra, desta à árvore e desta ao carvão, uma vida sucedendo-se à anterior. Menos uma visão do mundo, mais uma possibilidade de escuta. Até porque num filme sem diálogos tudo se ouve melhor. Para o percurso de libertação do espectador e de apuramento dos sentidos fomos em procissão. V.C.

ex-aequo

7. Inquietos

de Gus Van Sant

Mesmo que estejamos todos "still dying", como diz Annabel, personagem deste filme, que delicada maneira de morrer... Em cinema, pelo menos. "Inquietos" é uma certa forma de olhar, de enfrentar o pânico. Faz sentido, por isso, que não se encontre o aparato atmosférico de Van Sant, aquela forma oblíqua de fazer sentir. Filme de morrer, é algo da ordem da superação. V.C.

ex-aequo

7. Road to Nowhere - Sem Destino

de Monte Hellman

Um dia falar-se-á da cinefilia com a frieza com que se fala das ruinas de uma civilização perdida. Por enquanto é como com um morto recente, ainda é tempo de levar flores. "Road to Nowhere", regresso de um dos mais secretos cineastas americanos, é isso: um filme sobre o cinema, reflexivo e especular, que no fundo tem o valor de um ramo de flores depositado na tumba da cinefilia. L.M.O.



10. Essencial Killing - Matar para Viver

de Jerzy Skolimowski

Vincent Gallo e a natureza. Qualquer coisa da ordem da negociação: um fugitivo na paisagem inóspita, gelada, um relato carnívoro de uma iniciação. E eis como aquilo que começou a parecer-se com um "triller" de acção fugiu de forma irremediável para o mundo da fábula. Selvagem e lírica, porque é de Skolimowski que se trata. Foi "essential filming". V.C.

ex-aequo

10. Pina

de Wim Wenders



Escolhas de Jorge Mourinha, Luís Miguel Oliveira e Vasco Câmara


Comentários
comentario 1 a 9 de um total de 9
diminuiraumentar
comentario04.08.2012 - 17:43 - Catarina, Barcelona
"Pina" em ultimo lugar da lista e "Sangue do Meu Sangue" em primeiro? Não sei quais são os critérios de avaliação, mas gostava de os perceber, de modo a acabar com as várias duvidas com que fiquei depois de ver esta lista. O "Aurora", apesar da sua fotografia peculiar, também está muito bem conseguido... é pena ser de 2010.
comentario18.07.2012 - 11:24 - Nico, Lx
Que tal primeiro verem os filmes da lista... e só depois...
comentario19.05.2012 - 17:29 - Anónimo, aveiro
Agradecia que fizessem um top 20 ou 30 para puderem incluir filmes que o publico tenha visto. De outra forma é uma lista para vosso próprio deleite.
comentario24.02.2012 - 11:05 - Anónimo, Lisboa
São as escolhas daquelas três pessoas. Para eles são os melhores de 2011. Devemos respeitar. Ou acham que não?
comentario20.02.2012 - 02:37 - Jean, CB
E agora um top 10 de filmes para não pseudos. É possível? Ou este espaço é só para "armar" ao culto? É que Vicent Gallo nesta altura do campeonato...
comentario19.02.2012 - 19:51 - anónimo, Lisboa
concordo com o Anónimo, Braga toda a razao!
comentario15.02.2012 - 15:13 - Anónimo, Braga
É isto que acontece quanso se tem a mania que se é "diferente"... Não aparece um único filme "comercial/normal". Não digo que tenham que colocar os filmes que toda a gente vai a correr para o cinema ver em massa, mas também podia haver qualquer coisita. Nem sei o que anda a fazer esse pessoal da Academia, devem se uns retardados mentais pois não valorizam nenhum destes filmes... enfim...
comentario02.01.2012 - 12:19 - Rui, Possacos
só isto? Além de vários filmes indicados serem de 2010...
comentario26.12.2011 - 20:17 - Nuno, Portugal
Apesar de ser insondável o crítico lá conseguiu sondar a transcendência. Senão como poderia ele saber da transcendência não a tendo sondado? Pessoalmente prefiro "Em Vinha de Alho" de Florian Raduciouiu Jr. E o Thor.
Páginas:
1