Leia também
Miguel Gomes (segundo à direita) com parte do elenco de "Tabu"
Reuters

Filme de Miguel Gomes aplaudido no Festival de Berlim

14.02.2012 - Lusa
diminuiraumentar


O realizador lamentou a falta de apoios em Portugal

“Tabu”, a saga a preto e branco sobre um amor passado em África, foi hoje apresentado à imprensa no Festival de Cinema de Berlim e aplaudido no final por mais de mil jornalistas, no Berlinale Palast.

Em declarações à Lusa e à RTP, o cineasta lamentou, no entanto, que haja pouco investimento nos realizadores portugueses. Recordou que “Tabu” foi financiado em 60 por cento com capitais portugueses mas, ao contrário do que aconteceu com os outros três países produtores, Alemanha, Brasil e França, não se tratou de dinheiros públicos.

“É um bocado irónico, em relação ao discurso político que é feito - os 40 por cento restantes da parte brasileira, francesa e alemã saíram dos orçamentos do Estado desses países, cujos contribuintes pagaram, portanto, mais do que os contribuintes portugueses”.

Miguel Gomes lembrou e lamentou, neste contexto, que se verifique “um corte de 100 por cento” nos apoios ao cinema em Portugal, a pretexto da crise que o país atravessa.

Luís Urbano, o produtor português de “Tabu”, também presente na conferência de imprensa, garantiu que todos os produtores “aderiram entusiasticamente” ao projeto de Miguel Gomes, e depois “foi tudo uma questão de engenharias financeiras várias”.

Um filme dividido em duas partes, na segunda, passada em África, correspondendo à juventude das personagens, os actores não falam, ouvindo-se apenas a voz do narrador ou a banda sonora. A actriz Ana Moreira, principal figura do filme, no papel da jovem Aurora, confessou que começou por parecer estranho, mas acabou por resultar em pleno. “Estranhámos imenso a ideia do Miguel, mas havia confiança, vontade e entrega de todos, foi uma experiência e um desafio, simultaneamente”, disse.

Quanto à possibilidade de “Tabu” conquistar um prémio no Festival de Berlim, de cuja competição Portugal esteve ausente 13 anos, desde 1999, o cineasta português foi discreto. “Gostei muito de fazer o filme, estou muito contente com o resultado, mas a decisão cabe aos senhores do júri”, presidido pelo britânico Mike Leigh, disse.

Na “secção rainha” do Festival há mais 17 filmes a competir pelo galardão máximo do certame, o Urso de Ouro, e a decisão do júri presidido pelo britânico Mike Leigh será anunciada no sábado à noite.

Miguel Gomes negou ainda que este seu último filme seja uma homenagem ao cinema, asseverando que “o cinema não precisa de homenagens”, mas admitiu que “tinha vontade de dialogar” com a memória do cinema clássico americano e com o cinema mudo.

Quanto às influências de Friedrich Wilhelm Murnau que lhe atribuíram os jornalistas - o título "Tabu" e o nome da personagem, Aurora, são títulos de filmes do cineasta alemão - mais uma vez sublinhou que “ninguém que tenha um bocadinho de coração” é indiferente ao mestre alemão do cinema mudo.

No entanto, disse esperar apenas “ter digerido bem” a sua experiência como espectador de cinema, desde que viu, aos 15 anos, na RTP, “quando isso ainda era possível na televisão”, um ciclo sobre Murnau.

A ideia para o filme, contou, surgiu-lhe de uma conversa com uma familiar sobre uma zanga com a criada de uma vizinha, que lhe disse que se estava a meter demasiado na vida da patroa, episódio que surge, de facto, na primeira parte de “Tabu”, em que se mostra a solidão de uma Aurora, já idosa, a mesma que, quando jovem, teve uma grande aventura de amor adúltero na fazenda que herdou do pai, algures em África.


Comentários
comentario 1 a 1 de um total de 1
diminuiraumentar
comentario15.02.2012 - 09:12 - Luis, Viana do Castelo
Africa Minha manierista?
Páginas:
1