Leia também
Estúdios italianos foram ocupados pelos trabalhadores que se opõem aos planos de reestruturação (AFP)
Realizadores franceses querem classificação como monumento histórico

Trabalhores da Cinecittà receiam fim dos estúdios

12.07.2012 - Mário Lopes
diminuiraumentar


Segunda-feira, os trabalhadores da Cinecittà ocuparam os históricos estúdios italianos em protesto contra os planos de reestruturação da sociedade proprietária, a Cinecittà Studio Spa (IEG). Estão em greve, apoiados pela CGIL, a mais importante organização sindical italiana, para tentar impedir a transferência para outras empresas de várias funções asseguradas pelos estúdios. Afirmam que tal representará o seu fim enquanto centro de produção cinematográfica.

Ontem em França, realizadores como Costa-Gavras, Cédric Klapisch ou Claude Lelouch lançaram uma petição solidarizando-se com os trabalhadores. A agência francesa AFP avança que a ARP, a sociedade francesa de autores, realizadores e produtores, insta as autoridades europeias "a proteger e classificar este monumento histórico da cultura".

Antes, já a ANAC, a associação italiana de realizadores, demonstrara o seu apoio à greve em carta enviada ao presidente italiano, Giorgio Napolitano, e ao primeiro-ministro Mario Monti. "Os planos de reestruturação antecipam, por um lado, o desmantelar das actividades cinematográficas no local e, por outro, a construção de hotéis e ‘health-clubs', pondo em movimento a política de betão na exploração da zona, discutida pelas grandes construtoras da região há algum tempo", lia-se na carta, citada pelo Screen Daily.

"É urgente destruir este local inseparável do cinema de Fellini, Visconti, Comencini, Lattuada, entre outros, para construir um centro de fitness? Emagrecer às custas do património e da cultura, todo um simbolismo: mesmo com Berlusconi, não o tinham ousado!", escreve, por sua vez, a ARP, citada pela AFP.

Nos anos 1950 e 1960, a Cinecittà e os seus técnicos proporcionavam um trabalho de qualidade a um baixo custo (para padrões americanos), o que atraía até si as grandes produtoras americanas, que ali filmaram Ben-Hur ou Cleópatra. Hoje, é a vez de a Cinecittà enfrentar a concorrência proporcionada pelos estúdios no leste europeu. Gangues de Nova Iorque e, mais recentemente, a série Rome, foram das últimas grandes produções a ter lugar nos 40 hectares da Cinecittà.

As dezenas de trabalhadores em greve, muitos com décadas de ligação aos estúdios inaugurados em 1937 por Mussolini para estimular o cinema italiano e onde, décadas depois, Fellini filmaria A Doce Vida ou Satyricon, receiam ser obrigados a mudar de actividade e de empresa. Segundo o Screen Daily, a Italian Entertainment Group (IEG), maioritária na sociedade proprietária dos estúdios, planeará a transferência dos trabalhadores de pós-produção na Cinecittà Digital Factory para a Deluxe Entertaintment Services Group, sedeada em Hollywood. Vários outros técnicos passariam a trabalhar para a Panalight, empresa italiana de equipamento cinematográfico. Cerca de 50 operários de construção, responsáveis pela montagem dos cenários, seriam, por sua vez, transferidos para os terrenos onde nascerá o Cinecittà World, projecto inspirado no parque temático Universal Studios Hollywood, a instalar no local onde antes se erguiam os Roma Studios, fundados pelo produtor Dino De Laurentiis na década de 1960 e adquiridos pela IEG em 2004.

A Cinecittà Studio Spa argumenta que, para assegurar o futuro dos estúdios, as mudanças anunciadas são indispensáveis. Para ser competitivo, cita a AFP, será obrigatório passar de "uma empresa integrada que cobre a totalidade dos serviços necessários" para uma "organização diferente da produção".